sergionova

Depois de destruída, à Terra…

R$12,00R$35,00

Está em dúvida? Olhe dentro

Limpar
Comparar

Descrição

“Deitado junto a meu sonho, meu fado, naquela espécie de observatório da noite sepulcral, em sonhos, divagações, meditações, tentava achar a chave, o fio que medeia e acende a luz das histórias, como Poe, que construía suas máquinas de impressionar, segundo me contou Cortázar. Achar o lugar? Escruto a sombra, que me amedronta, que me assombra e sonho o que nenhum mortal há já sonhado, mas o silêncio amplo e calado, calado fica; a quietação fica quieta. Um asteroide se aproximava e eu o via do pátio central da casa, quando em volta de fogueiras ancestrais, ousava olhar para o céu.”
___

Talvez o maior desafio para quem escreve prosa seriamente, como é o caso de Sergio Papi, seja explorar o tempo. Pois se é razoavelmente claro que o tempo é uma convenção apenas prática, que as sequências lineares não existem, que para casa causa já infinitas consequências, a possibilidade de expressar essas múltiplas dimensões é ainda um grande problema.

Mas Papi joga, brinca, seduz e dribla com o tempo, senão dribla o próprio tempo. Seguimos o que é aparentemente um mesmo personagem – possivelmente desdobrado em inúmeros duplos de si – projetando-se para o futuro, o passado e desdobrando infinita e especularmente o presente. A ciência e a magia convergem, centrípeta e centrifugamente, em tramas breves que, apesar de desafiarem a lógica clássica, sempre acabam fazendo sentido.

O anúncio de horror que o título sugere não diminui completamente ao longo da leitura, mas ganha umas perspectiva diferente. Quem sabe a Terra já esteja destruída, quem sabe sua destruição seja não mais que imaginária, quem sabe os tempos que nela convivem não nos redimam da destruição. Ninguém sabe nada. E é por isso que é bom ler. Por isso a literatura, ao borrar livremente as fronteiras entre sanidade e loucura, permite que os tempos e o eu se ativem de outras formas.

E nisso Sergio Papi é imbatível.

– Noemi Jaffe

Informação adicional

Peso N/A
Especificações

14x21cm; brochura, 128pgs

Sobre o autor

Sérgio Papi é artista gráfico. Nasceu no Rio de Janeiro e se mudou para São Paulo aos 16 anos, onde trabalhou em jornais e agências, sempre como designer gráfico. Editou o livro de poesia visual "Atlas – Almanak 88", onde publicou a obra "Diário de um Sedutor". Foi também responsável pelas reedições em fac-símile dos Almanhaques do Barão de Itararé, entre 1989 e 1995. Começou a escrever em 2014. "Depois de destruída, à Terra…" é seu primeiro livro.

Tipo

Impresso, ePub

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Seja o primeiro a avaliar “Depois de destruída, à Terra…”

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *